POCO X5 Pro é pior que o X3 Pro? Descubra!

A POCO, subsidiária da Xiaomi, lançou o POCO X5 e X5 Pro há poucos dias. Novamente, os fãs estão furiosos, pois os novos lançamentos não repetiram o sucesso de 2021 quando a POCO emplaco o excelente POCO X3 Pro com processador Snapdragon 860.

A Xiaomi errou com o POCO X5 e X5 Pro? Vamos descobrir!

 

Publicidade

Onde encontrar o POCO X5 Pro com o melhor preço.

 

O que é exatamente a linha X da POCO

A linha POCO X estreou em 2020 com o POCO X2. O smartphone chegou com o intuito de ser a versão global do Xiaomi Redmi K30, lançado em 2019.

Com configurações e recursos virtualmente idênticos, esses dois celulares tinham apenas mudanças na ROM e em suas caixas e marcas. Como diria meu pai: “por baixo do capô”, eles são iguais.

No mesmo ano de lançamento do X2, em setembro de 2020, a Xiaomi decidi acelerar o lançamento do POCO X3. Aparelho traria apenas uma leve variante do Snapdragon 730G do X2, o 732G.

Já no começo da linha POCO X, a Xiaomi fazia questão de mostrar que viria para “bagunçar” um pouco as coisas. Afinal, a evolução do X2 para o X3 era mínima, quase nula, mas o salto veio mesmo com o X3 Pro.

 

O espetacular POCO X3 Pro

Em março de 2021, durante o anúncio do POCO F3 (a linha principal da POCO é a F), a Xiaomi resolveu colocar o POCO X3 Pro com Snapdragon 860.

POCO X3 Pro deixou uma boa impressão no consumidor, mesmo com os problemas no CI do carregador.

A linha X então virou a queridinha do público no quesito custo benefício. Pois o X3 Pro era até melhor que POCO F3 no quesito câmeras.

Então criou-se a percepção errada que a linha principal da POCO era a linha X, e não a linha F.

E o pior ainda estava por vir.

 

A linha POCO X estagnou?

O aparente declínio da linha X viria com o POCO X4 Pro em fevereiro de 2022. Não adianta argumentar, o Snapdragon 695 é inferior ao 860 em todos os aspectos.

Para tentar remediar as coisas a Xiaomi trouxe o MediaTek Dimensity 8100 ao POCO X4 GT, mas em vendas a coisa não se consolidou devido ao preconceito do público com processadores da linha MediaTek.

Para 2023, a Xiaomi então trouxe para o POCO X5 o mesmo processador do X4 Pro, o Snapdragon 695, e no POCO X5 Pro, o Snapdragon 778G.

 

Snapdragon 778G foi utilizado para não repetir o Dimensity 8100 e o flopado Snap 7 Gen 1.

Embora o Snapdragon 778G seja um processador poderoso e equiparável ao lendário 860, ele ainda fica atrás do 860 na performance de alguns jogos e emulação (por muito pouco).

A situação fica ainda pior quando a gente lembra que o Snapdragon 778G já existia em 2021 e estava no Xiaomi 11 Lite 5G NE.

 

Então sim! Dá pra dizer que a linha X da POCO estagnou!

 

Se serve de consolo para alguém, o mesmo aconteceu com a linha F, mas tem alguns motivos para isso gente! Calma, não é culpa da Xiaomi.

 

Veja também:

Melhores acessórios para jogar no celular

 

Publicidade

 

O motivo: a escassez de chips

O motivo da linha POCO X e F nos darem a impressão de pararem no tempo, se deve a escassez de chips ocasionada pela pandemia.

Talvez você não saiba, mas a fabricação de chips para processadores de smartphones, GPUs, PC, consoles e etc, é algo extremamente complicado e demorado.

A criação de um único lote de chips demora até quatros meses. É um processo extremamente complicado e tecnológico que precisa ser feito apenas em alguns lugares do mundo. Qualquer atraso significa um problema para a enorme cadeia de procura por chips. Imagine aí, três anos de pandemia? Pois é!

A produção de chips sofreu alguns “atropelos” por conta da pandemia e a indústria focou em suprir a demanda de tops de linha.

Quer uma prova disso? Procure smartphones à venda com Snapdragon 7 gen 1? Não tem né? Além de ter vindo com baixa eficiência, o 7 Gen 1 não superou o 778G.

Com isso, as fabricantes tiveram que reutilizar alguns chips e a linha X e F da POCO tiveram esses problemas.

 

Como seria a linha X e F

A meu ver, o natural seria a linha F utilizar, em 2022, Snapdragon 8 Gen 1 e a linha X utilizar o Snapdragon 888. Entretanto, não houve chips suficientes para a demanda e a produção desses chips mais antigos foi encerrada para focar nos tops de linha.

Assim, a linha X e F ficou essa bagunça, com a POCO precisando voltar ao 778G, que novamente, não é um chipset ruim, mas apenas equivalente ao 860.

Imagino que se existisse uma nova “fornalha” do Snapdragon 888, ele seria perfeito para a linha X em 2023.

Caso você não saiba, a POCO simplesmente repetiu o processador do POCO F3 no POCO F4 e adiou a evolução também (salvo a linha GT que ganhou o Snapdragon 8 Gen 1, com problema de resfriamento, mas ganhou!).

Segundo rumores, o POCO F5 poderá vir equipado com o Snapdragon 8 Gen 1, enquanto o POCO F5 GT virá com Snapdragon 8 Gen 2.

Assim, a linha X foi a mais prejudicada nessa história toda, com sua evolução andando literalmente de lado durante 2 anos seguidos.

Agora é esperar para ver o que a Xiaomi fará com o POCO X6 e X6 Pro.

 

O POCO X5 Pro não é tão ruim assim

Contudo, se o seu lance são games, fica o alerta de que o POCO X5 Pro não é um grande avanço em relação ao X3 Pro.

Contudo, se o seu lance são games, deixo o alerta de que o POCO X5 Pro não é um grande avanço em relação ao X3 Pro. Em muitos casos, vale até a pena procurar um POCO F4 ou até um Realme Q5 Pro (ambos com Snapdragon 870).

Se você é daqueles que acha que a POCO fabrica o X3 Pro até hoje, saiba que ela parou de fabricar ainda em 2021.

 

Leia também:

Top Melhores Celulares para Jogos até R$ 1.500 em 2023

Os melhores celulares para jogos até 1.500 reais.

 

 

Realme GT Neo 2: o Snapdragon 870 mais barato do momento (R$ 1600)

 

 

  • Dario Coutinho

    O "Gamer de Celular" Original. Criou um dos primeiros sites sobre jogos para celular em 2007, que viria a se tornar o Mobile Gamer Brasil em 2009. Formado em Ciência da Computação, escreve sobre tecnologia há mais de 16 anos. Com passagem por revistas de games (EGW, Arkade) e sites renomados como Techtudo. E-mail para contato: [email protected]

Google News