Batterygate: o calcanhar de Aquiles da geração smartphone

12 de novembro de 2011 . Atualizado 12/11/2011

batterygate Batterygate: o calcanhar de Aquiles da geração smartphoneAntigamente, nos idos tempos do Symbian S60v2 e Palm’s da vida, quando se pensava em smartphones, ninguém tinha receio do usar e abusar do aparelho o dia todo.

Hoje a coisa não é bem assim. Com a “necessidade” cada vez maior de se estar sempre plugado, os smartphones em geral (Não só o iPhone ok!) passam por um período difícil onde um aparelho raramente aguenta dois dias seguidos longe de uma tomada. Mas, onde nos perdemos?

Para ilustrar o problema, vamos voltar aos idos anos de 2007. Nesse ano foi lançado o saudoso Nokia N95. Um dos melhores smartphones já feitos. Naquela época, o aparelho vinha equipado com uma bateria de Lítium de 6 células, com alimentanção de 3,7v e com capacidade de 1200 mAh (miliampéres/hora).

Era uma boa capacidade que fazia o celular “durar” muitos dias, mesmo acessando web ou viajando e usando o GPS. Ainda estamos no comecinho do 3G e grande velocidade de conexão não era um fator importante a ser considerado. O N95 tinha um processador com 332Mhz e uns 128 de RAM na sua última versão. Rodava um SO que pode parecer arcaico, hoje em dia, mas que consumia com eficiência a bateria.

1293551964_151691141_2-Fotos-de--Bateria-Bl-6f-Bl6f-P-Celular-Nokia-N95-8gb-N78-2gb-1000mah Batterygate: o calcanhar de Aquiles da geração smartphoneBateria do N95: quase idêntica a do iPhone 4S em termos de capacidade

Agora voltando a 2011 com o recém-lançado iPhone 4S com um processador de dois núcleos com 512 MB de RAM, um SO que usa e abusa dos gráficos e que “quer ficar sempre conectado”. Quantos miliamperes/hora você acha que a bateria dele tem? 3000mAh? 6000mAh?

Seria muito bom se a bateria do iPhone 4S tivesse pelo menos 2000mAh, mas a bateria equipa esse aparelho fornece apenas 1400mAh, pouco mais de 200 miliampéres a mais que a bateria do “arcaico” N95?

O grande vilão dessa e da próxima geração de smartphones com certeza será a bateria. A “corrida dos processadores” será praticamente cancelada nos próximos anos em favor de mais tempo de aparelho funcionando.

Quem primeiro apontou nesse sentido foram os aparelhos com o sistema Android. Choveram tutoriais pela internet ensinando como desativar vários fatores que consomem bateria.

bateria-android3 Batterygate: o calcanhar de Aquiles da geração smartphoneRobozinho já sabe a tempos que precisamos de mais bateria

O mercado, também, se acostumou mau a querer sempre mais processamento. Ficamos tão apaixonados pelos smartphones, telas sensíveis ao toque, jogos fantásticos (sou suspeito para falar) que esquecemos que a tecnologia das baterias não evolui (nem evoluiu) na mesma velocidade que os Sistemas Operacionais.

A curto e médio prazo não há segredos, nem mágica. As opções são: manter os dedos longe do aparelho ou comprar uma case com bateria extra. Acredite, também ficamos mal acostumados a aparelhos cada vez mais finos. Uma case como a do vídeo abaixo, sacrifica muito pouco do design e temos mais uma bateria com grande capacidade (2300mAh), praticamente dobrando o tempo de “vida” do iPhone 4.

E é isso, esses são os problemas dessa geração de smartphones, agora imagine quando começarem a aparecer os primeiros smartphones com 4 e 8 núcleos.

Publicidade

Mestre na arte oculta dos joguinhos de bolso. Passou por várias gerações (Java, Symbian, N-Gage). É o criador e idealizador do Mobile Gamer.

  • Thiago Luiz

    Disse tudo Dário, Existe um nome para isso: "Estratégia para gerar lucros"… Imagina você ter que trocar a bateria em uma autorizada oficial o preço não está nada convidativo. (Já fui ver na Macfix, não é nada barato…) E trocar a bateria por conta própria, vendo videos, pode ser um tiro no pé! É preferível comprar um novo. É nessa parte que cada vez mais as empresas faturam…

  • Dário

    Cabei de ver um video aqui do Gizmodo (Giz em vídeo 2)Os caras estão com o Motorola Razr 2 para testes e disseram que a bateria do bixim durou só 6 horas.. Hoje em dia tá difícil viu.

  • Thiago Luiz

    Dário, esses novos aparelhos vem fechados, por esse mesmo fator, Obrigando o comprador, comprar um novo aparelho. afinal quem paga 200,00 reais em uma bateria nova? (Assistência técnica não cobre em caso de bateria. eles dizem que a responsabilidade pelo mau uso da bateria é do dono. Ah! só uma observação: Essas baterias que são vendidas no ML de iphone, ipod, etc. geralmente são "bichadas". Muito cuidado. uma bateria original da Apple, de iPod touch, e iphone são caras. Essas de ML não duram nem a metade que uma original dura! fica o aviso.

  • Dário

    @Thiago LuizConcordo quanto as cases xingling, até porque quem iria equipar seu aparelho de 2 mil reais com uma case meio-boca. Mas esse não é o caso dessa case acima. Porém, minha opinião é que os clientes não precisam ficar submissos a um design ruim, achando que é assim mesmo e que não tem jeito. Jeito tem, e até que não fica tão ruim. Ruim mesmo é você precisar do aparelho e não poder usar.É compromisso dos fabricantes melhorar isso.