Epad ZT-180 – um iPad a la brasileira (digo, chinesa)

26 de março de 2011
20110220025104825499_s Epad ZT-180 - um iPad a la brasileira (digo, chinesa)

A despeito de ser motivo de chacota entre os geeks de plantão. Uma realidade cada vez mais fatídica no Brasil são os gadgets chineses. Mesmo que todo mundo clame aos quatro ventos que esse tipo de aparelho é um B*sta. Não adianta!!! nada supera o preço, que é o principal motivo para esse tipo de aparelho fazer sucesso por aqui.

Com a escarcez de iPad 2 e preços ainda absurdamente caros da primeira versão do iPad, sobra para os seus concorrentes preencherem a lacuna. Porém um defeito da maioria dos tablets do mercado é que eles custam ainda mais caro que o iPad.

Não poderia dar outra, com toda essa demanda e baixa oferta sobra para os tablets chineses invadirem o mercado.

É o que já está acontecendo em boa parte de países como o Brasil. Um tablet chinês comprado no Brasil custa entre 300 a 600 reais, mil reais mais barato que o iPad mais básico. Fora do país então o preço do tablet chinês mais caro fica abaixo de 170 dólares, que da mais ou menos uns 280 reais.

Dentre a enxurrada de opções, destaca-se o Epad ZT-180.

  • Tela de 10 polegadas (estou suspeitando que a tela é resistiva :/)
  • CPU de 1.2 GHZ – ARM 9
  • Saída HDMI
  • RAM: 256MB
  • Espaço interno 2GB (Expansivo até 32GB)

A princípio pensei que esse tipo de aparelho engasgaria em games 3D, mas é incrível notar que ele possui suporte a aceleração gráfica via hardware:

Por padrão esses tablets costumam vir com o Android 2.1 e Marketplace travado, porém basta atualizar o firmware para 2.2 e Martketplace funciona normalmente.

Navegação web

Acredito que para quem quer um aparelho apenas para web e um ou dois joguinhos é uma boa opção. A construção do aparelho não deve ser das melhores, portanto é bom não forçar a barra e manusear esse aparelho com muuuito cuidado.

Em breve estarei me arriscando com um aparelho desses. Estou comprando apenas por “esporte” e por não possuir (grana) nada que tenha Android, pois apesar de custar menos que 1/4 de um iPad é bom manter as expectativas lá em baixo.

Mestre na arte oculta dos joguinhos de bolso. Passou por várias gerações (Java, Symbian, N-Gage). É o criador e idealizador do Mobile Gamer.