Celulares Chineses: 7 Dicas e Fatos que ninguém te conta

Descubra dicas e fatos para o uso de smartphones chineses que você deveria saber, mas que ninguém te conta.

Celulares de marcas chinesas como Xiaomi/POCO, Huawei/OPPO, Infinix e Realme já não são mais novidade para ninguém. Todos sabem que essas marcas oferecem versões globais com suporte ao 4G e 5G e idioma português do Brasil.

Durante mais de 6 anos de uso exclusivo de marcas chinesas, percebi alguns problemas recorrentes, hábitos e vícios de usuários.

 

Publicidade
Alguns cuidados e dias tornam a sua vida com um celular chinês mais fácil.

 

1. Desabilite a atualização automática do sistema

Já ouviu aquele ditado? Se está funcionando, não mexa!

Algo que ninguém menciona e que você deveria saber de antemão: atualizações de sistema em smartphones chineses podem ser problemáticas.

Isso é especialmente verdadeiro em dispositivos intermediários e de entrada.

O motivo é simples: as fabricantes não testam de forma mais elaborada suas atualizações de ROMs e deixam para a comunidade fazer o teste.

Há muitos casos em que o smartphone simplesmente para de funcionar.

Nesses seis anos usando smartphones chineses, o que mais presenciei em grupos e comunidades foram pessoas reclamando que o celular piorou após uma atualização.

Exemplos notórios: POCO M3, X3 Pro, ZUK Z2, Infinix, etc.

O que acontece é o seguinte: “a pessoa fica ansiosa para atualizar o celular, e quando o faz, não gosta e não pode reverter a situação”.

O Google fornece atualizações de segurança via Play Protect que barra ate APKs com anúncios invasivos. As atualizações do Play Protect chegam até mesmo para celulares desatualizados com Android 5.

Na imensa maioria das vezes você verá pouca ou nenhuma melhoria ao atualizar o celular. Além de correr o risco de até perder o aparelho.

Portanto, fica o alerta. Desabilite a opção de atualização automática do sistema do seu smartphone chinês.

Participe de alguma comunidade do seu aparelho no Facebook ou Telegram e fique por dentro das novidades. Surgiu uma atualização? Alguém teve problema? Se ninguém teve, espere algumas semanas e, então, atualize.

 

2. Não deixe a bateria zerar completamente

Você já ouviu algum amigo dizer que deixou o celular descarregar completamente e ele “morreu”?

Um problema bastante comum que afeta as ROMs de celulares chineses, especialmente os dispositivos de entrada, é deixar o celular descarregar até desligar.

Nessa situação, o aparelho não liga mais, mesmo quando conectado a um carregador.

Isso pode levar a outros problemas. A pessoa começa a forçar o conector do carregador, inserindo e retirando o plug com muita força na tentativa de fazer o smartphone carregar. Algumas pessoas chegam até a quebrar o conector no desespero.

A solução desse problema pode estar simplesmente em deixar o celular desligado por algumas semanas até a bateria se esgotar completamente. Nesse momento, o celular misteriosamente volta à vida. O que ocorre é que a bateria foi reiniciada. Se você estiver com pressa, um técnico pode abrir o celular, desconectar a bateria e, em seguida, reconectá-la, fazendo com que o aparelho volte a funcionar.

Portanto, lembre-se sempre de reiniciar o seu smartphone periodicamente, mas nunca permita que seu celular chinês descarregue ao ponto de desligar.

 

3. Cuidado com “reviews” apressados

Você já percebeu como alguns canais grandes no YouTube não apresentam análises detalhadas dos smartphones? Eles geralmente mostram apenas unboxing e testes rápidos.

Apesar da justificativa de “ter muitos aparelhos para fazer vídeo”, a verdade é que a grande maioria deseja apenas aproveitar o “hype” do lançamento. Eles querem que você compre pelo link deles para gerar comissão.

No caso de celulares chineses, é necessário prestar atenção redobrada, pois muitos recursos e características importantes passam despercebidos nesses “reviews rápidos”.

São poucos os canais que apresentam quadros como “análise depois de X meses” ou “Depois do Hype”. Um bom exemplo de canal que traz esse conteúdo mais detalhado é o TechNerd.

Publicidade

Além disso, há informações que somente comunidades de usuários podem fornecer. O POCO F3, por exemplo, tinha um bug bastante incômodo que impedia a pessoa de ouvir áudio do WhatsApp com o celular encostado no ouvido.

Outro exemplo, sempre me foi dito que NFC em celulares chineses não funcionava no Brasil. Bem, com os o GooglePay e cartões dos bancos Nubank e Inter, funciona sem problemas.

 

4. Cuidado com superaquecimento

O anseio das fabricantes chinesas em lançar produtos rapidamente gerou alguns smartphones propensos ao superaquecimento, como os equipados com Snapdragon 855, 865 e diversos outros com Snapdragon 888 em diante.

É comum presenciar situações em que o aquecimento é tão intenso que o aparelho entra em modo de Thermal Throttling severo, reduzindo o brilho da tela e limitando o uso para poupar a bateria.

No entanto, em celulares chineses, o uso excessivo em alta temperatura pode resultar em problemas futuros no hardware. É importante ressaltar que não é apenas o aquecimento isoladamente, mas sim uma combinação de usos inadequados.

Jogar enquanto carrega e faz transmissão ao vivo pode fazer com que o celular esquente demais. A pessoa encostando no cabo do carregador nesse momento pode facilitar a danificação do conector.

 

5. Quedas podem causar “Soldas Frias”

Esta dica é válida para qualquer celular, mas é especialmente importante prestar atenção aos celulares chineses.

Refere-se àquela situação em que você derruba o celular e, a princípio, pensa que está tudo bem. Depois de um tempo, percebe que ele não está carregando corretamente, a tela pisca ocasionalmente, entre outros problemas.

Uma queda pode ocultar problemas como a “solda fria”. Esse termo se refere a uma solda em algum microprocessador que se desconectou, mas ainda mantém contato. Essa situação pode causar mau funcionamento do aparelho e, em alguns casos, danos permanentes se não for corrigida a tempo.

Portanto, sempre que seu celular sofrer uma queda, observe atentamente o seu funcionamento e considere levá-lo a um técnico especializado para uma avaliação, caso note algo fora do normal. Dessa forma, você poderá evitar problemas mais sérios e garantir a durabilidade do seu aparelho.

 

 

6. Todos os dispositivos te espionam, então relaxe

Sem noia com governo chinês te espionando e boicote a HUAWEI.

Você carrega no seu bolso um dispositivo que te monitora 24 horas por dia, fornecendo informações sobre sua localização, seus gostos e até quando algo te chama atenção no Instagram.

A menos que você tenha um iPhone, que consegue proteger os usuários de alguns aplicativos de redes sociais, em geral, a única forma de ficar totalmente livre da “espionagem” dos aplicativos é não usando o smartphone. No entanto, é possível tomar algumas precauções para garantir maior privacidade e segurança dos seus dados.

Então, a menos que você vá para uma Custom ROM com Android, você vai ter aquela sensação que os anúncios te perseguem. Mas relaxe, essa impressão está presente até mesmo dos celulares nacionais.

 

7. Alguns celulares baratos escondem configuração lenta

Você já viu aqueles celulares extremamente baratos com 6 GB ou 8 GB de RAM e custando menos de 600 reais?

Pode parecer um bom negócio à primeira vista, mas há uma pegadinha.

Muitos desses celulares escondem padrões de memória RAM muito lentos e obsoletos para o uso atual do Android e navegação na internet, como o LPDDR3.

Outro padrão bastante lento que pode tornar qualquer celular “um lixo de usabilidade” é o sistema de arquivos eMMC 3.0.

Qualquer celular “novo” da China deve ter, no mínimo, LPDDR4 e utilizar sistemas de arquivos como UFS 2.0 ou superior. Isso é essencial para evitar travamentos em tarefas simples, como assistir a um vídeo em 1080p a 60 FPS no YouTube.

Portanto, antes de se deixar seduzir pelos preços baixos, certifique-se de verificar as especificações técnicas do aparelho para garantir que ele atenda às suas necessidades e não lhe traga problemas de desempenho.

 

Agora que você já está bem informado sobre como aproveitar ao máximo seu celular chinês, confira nosso próximo artigo com “Dicas para esfriar o celular ao jogar” e mantenha seu aparelho funcionando de maneira eficiente, mesmo durante as sessões de jogos mais intensas. Não perca!

  • Dario Coutinho

    O "Gamer de Celular" Original. Criou um dos primeiros sites sobre jogos para celular em 2007, que viria a se tornar o Mobile Gamer Brasil em 2009. Formado em Ciência da Computação, escreve sobre tecnologia há mais de 16 anos. Com passagem por revistas de games (EGW, Arkade) e sites renomados como Techtudo. E-mail para contato: [email protected]

Google News