Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)

24 de Março de 2011 . Atualizado 08/08/2012
Eternal-Legacy Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)

Não é sempre que a Gameloft se aventura no gênero RPG. Principalmente no subgênero RPG em turno, só existe dois jogos feitos pela empresa neste subgênero: o mediano Ninja Prophecy (celulares comuns) e o big fail Eternal Legacy (iPhone). Siga pelas linhas abaixo e veja o porquê a Gameloft precisará de muito cuidado em uma futura investida no subgênero de RPG de turno.


Antes de qualquer coisa gostaria de dizer que completei o jogo 2 vezes. E em nenhuma das duas reparei novidades. Eternal Legacy é claramente indicado para quem nunca jogou um RPG na vida. Entretanto, é uma verdadeira heresia a quem já experimentou da fonte Final Fantasy.

História estranha com gente esquisita

Conheça Astrian, um zé ninguém que tem estranhos sonhos no qual parece sempre pretenso a fazer algo grande. Vivendo no reino tirano de Algoad ele faz parte de uma resistência que luta contra esse governo tirano.

O caldo engrossa quando uma entidade chamada Lua deseja o fim de tudo (mais clichê impossível). A partir daqui a história toma rumos inesperados e meio difíceis de acompanhar. Grande parte da culpa disso reside no fato de nem o próprio jogo se importar com a sua história.

IMG_0268 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)
Como é? nem os personagens ligam para a história

Tudo é apresentado por meio de explicações e buracos na história. Por exemplo: as pedras Varsh fazem isso; Reinherz ficou “do mal” por aquilo. Há momentos que são cópias descaradas e tentativas forçadas de dramatização: Como o bizarro romance de Astrian e Lysty, que se deflagra repentinamente e logo apos a garota morre sem mais nem menos, em uma clara “inspiração” à morte de Aerith (Final Fantasy 7).

IMG_0277 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)
Pobre Lysty (cara de boneca inflável de sexshop)

Outro romance bizarro é o de Edmund (mistura de Dante, Vincent e Cid) com Shira. Edmund parece um cara de mais de 30 anos e Shira parece uma menina de 14 anos, isso deixou esse propenso romance muuuuuito estranho.

IMG_0266 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)

pedobear_approved_men_only_s300x300_42865_535_RE_Totally_Oblivious-s300x300-56845 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)
Pedobear approves

Os diálogos são outro problema. Muito mal bolados e bem genéricos, nenhum personagem parece ter nada a dizer, ou oferecer sobre o outro, parece não existir relacionamento entre os personagens. Um fator agravante é a péssima dublagem em conjunto com a dessincronia labial. O resultado é um enfraquecimento dos diálogos que já eram ruins.

O game segue a história de forma totalmente linear, tanto que há uma seta que acompanha o personagem durante todo o tempo. Não deixando você explorar os mapas ao seu bel prazer.

O que tem de bom então?

A arte do jogo é muito boa. Tanto a música quanto as “artworks” do jogo são muito bonitas e agradáveis. Ao que parece a produtora não soube passar para a terceira dimensão, todo o sentimento que os artista colocaram em suas telas e partituras.

Gameplay

IMG_0236 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)

Mencionei antes que o jogo era em turnos mas não é exatamente assim. Eternal Legacy possui um contador de tempo onde você deve executar o comando no tempo determinado, caso contrário você perde a vez. O que não deixa de ser encaixado no sistema de turnos.

Por padrão você controla somente Astrian durante as batalhas, mas pode-se passar a controlar todos os integrantes do grupo mudando a opção no menu do jogo.

Existem magias, poções e evocações, nesta parte encontra-se mais uma coisa ruim: navegar entre os menus principalmente de poções. São tantas que você fica perdido tentando achar “poção cura grande” ou “renascimento”.

O game durou certa de 7 horas, o que é curto se comparado a excelentes RPGs como Chaos Rings. As opções de salvamento são bem limitadas, portanto é bom deixar slots com saves de capítulos anteriores, pois o jogo não oferece a possibilidade de retorno ao mapa quando você está prestes a enfrentar Lua.

Bugs e Erros

Eternal Legacy é um jogo muito mal acabado, claramente publicado às pressas na App Store. Há um bug constante durante troca de cenas, assemelhando-se a uma travadinha, algo pequeno mas que deixa uma péssima impressão.

IMG_0247 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)

Outro bug está em uma das evocações. É um mostro verdade o qual eu esqueci o nome, vez por outra o jogo simplesmente fecha ao evocá-lo. Mais um bug observado foi na Gameloft live do jogo. O game não computou todas as minhas conquistas durante a jogatina .

A seguir, algumas screens dos bugs e erros de tradução:

IMG_0237 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)
Era para ser “Entretanto”…

IMG_0169 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)
A verdade está la fora… e parece um baú que “decolou”

IMG_0248 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)
Era para ser “exército”.

+Prós

  • Artworks legais
  • Trilha sonora bacana

-Contras

  • Bugs
  • Erros de digitação na tradução
  • História fraquíssima
  • Personagens desinteressantes
  • Cenários vagos e sem vida
  • Final sem graçae praticamente inexistente, parece que estavam com preguiça de fazer um final decente.

Nota: 4.5

Nome: Eternal Legacy
Produtora: Gameloft
Plataformas: iPhone, iPod Touch, Android e iPad
Gênero: RPG
Versão: 1.0.0d
Lançamento: 2010

Bônus

O Final do game é totalmente sem graça. A falta de vontade em contar a história foi tão grande que o final é totalmente aberto. Só aparecem os heróis na floresta e então é hora de nunca mais olhar para este game.

IMG_0288 Review: Eternal Legacy (iPhone, Android)
Publicidade

O Gamer de Celular Original. Passou por várias gerações (Java, Symbian, N-Gage). É o criador e idealizador do Mobile Gamer. Também é retro colecionador.